15 de mai de 2014

(Resenha) A Delicadeza do Amor


Título Original: La Délicatesse
Gênero: Comédia Romântica/Romance
Ano: 2012
Diretor e Roteirista: David Foenkinos e Stéphane Foenkinos
Elenco Principal: Audrey Tautou, François Damiens, Bruno Todeschini 










Nathalie (Audrey Tautou) vive o ápice de sua vida, apaixonada pelo marido, prestes a casar, bonita, jovem, bom emprego. Tudo corria bem, os planos tão bem desenhados, o futuro tão promissor e instigante, até que algo terrível e inesperado acontece: seu marido sofre um acidente e vem a falecer.
Dá pra imaginar o sofrimento intenso de Nathalie após a perda, é arrancado de si todo o brilho e felicidade.
Para afogar as dores e levar a vida pra frente, Nathalie foca no trabalho. Seu chefe, inclusive, oferece total apoio, mas é tanto "apoio" que a convida pra jantar, sem intenções alguma Nathalie aceita e acaba se arrependendo ao saber que, dele, as intenções vão muito além do que um amigável jantar.



Certo dia, totalmente desfalcada do trabalho, recebe uma visita de um funcionário, Markus (François Damiens), em sua sala, com fins completamente profissionais. Ela, sem ao menos notar no que estava por fazer, se levantou e o beijou involuntariamente, o que o surpreendeu tanto que reação alguma veio à tona.



Difícil de acreditar, mas era apenas o início de um grande romance. 

Durante todo o filme a gente acompanha o desenvolver de uma história simples de amor e muito mais que isso: de um recomeço e companheirismo. No começo, um choque e tanto, um profundo sentimento, pesado, uma perda inestimável. Logo após, a chance de recomeçar e a dificuldade de permitir-se, pois em diversos momentos o medo tomava conta de seus ideais e atitudes, em um momento (muito engraçado, por sinal) Markus, ao se encontrar com Nathalie, expõe o receio de se apaixonar e, de forma inesperada, sai correndo pela rua afora, como se estivesse em uma perseguição. hahahahah



É sensível, engraçado e delicado não só no título. 
Nathalie é decidida e muito forte. Audrey Tautou é belíssima em sua interpretação.
Markus é do tipo que não se nota em um local público, é silencioso, desengonçado e de aparência que, para muitos, não é compatível com a de Nathalie, mas, apesar disso, é a companhia perfeita.
 O romance entre os dois é paciente, daquelas que só a presença basta. Não é eufórico e ardente, como costumamos ver nos filmes de romance. É companhia, é amizade, é maturidade.

O desfecho, a parte final (que não vou contar!) é simplesmente PERFEITO!
Recomendo esse filme, sim! Foi feliz nos exageros e na sutilezas. 

"Adoro o seu cabelo, eu podia passar férias nele."

Aí vai o trailer:



Nenhum comentário:

Postar um comentário